Manaus, 1 de novembro de 2023
/
/
Caprichoso exalta a luta indígena e quilombola na segunda noite do Festival

Caprichoso exalta a luta indígena e quilombola na segunda noite do Festival

Parintins 2023: Exaltando a luta indígena e quilombola, Caprichoso encerra segunda noite do Festival Folclórico. O bumbá foi campeão em 2022 e busca o bicampeonato

O boi Caprichoso encerrou a segunda noite do Festival de Parintins na madrugada deste domingo (02/07). Na arena, o Touro Negro apresentou o espetáculo “Resistência: a força da nossa existência” que integra o tema deste ano “O Brado do Povo Guerreiro”.

Emocionante esse momento na arena

O 56º Festival Folclórico de Parintins é promovido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa. Neste ano, o evento foca em três pilares: cultura, turismo e sustentabilidade.

Com toadas atuais e antológicas, a galera azulada vibrou com a apresentação do Caprichoso. Os amigos Ives Dalson, 22 e Marcileia Santos, 43, estiveram pela primeira vez no festival representando a galera, no item 19. A dupla afirmou estar encantada com o espetáculo do boi da Estrela.

Caprichoso evoluindo na arena

“Antes eu só via pela TV. Hoje estou vivendo essa realidade que é imensurável. O Caprichoso está lindo em todos os momentos’’, disse Ives.

“Fazer parte da galera é um sentimento único. E eu vim em busca do bicampeonato. E essa galera é linda. O Caprichoso está fazendo uma belíssima apresentação, todos os itens estão lindos”, completou Marcileia.

O item 1 do Caprichoso, o apresentador Edmundo Oran, destacou o trabalho intenso para levar o boi à arena. A preparação começa quase um ano antes do Festival.

A sinhazinha da fazendo do Caprichoso

“Como apresentador, eu já começo a me preparar, junto ao Conselho de Arte, a fazer reuniões para definir projetos e, quando se aproxima do festival, com artistas, alegorias e figurinos. Se Deus quiser e nossa senhora do Carmo abençoar, segunda-feira estaremos comemorando o bicampeonato do Boi Caprichoso” disse Oran.

A segunda noite teve mais quatro alegorias e módulos aéreos que trouxeram itens como cunhã-poranga e o boi-bumbá. O diretor de Arena do boi azulado, Edwan Oliveira, acredita que o Caprichoso está mostrando um trabalho de qualidade

“O Caprichoso apresentou um espetáculo grandioso mais uma vez, que traz um pouco da essência da sua tradição. Foi uma noite espetacular com momentos grandiosos de alegorias e indumentárias dos nossos itens fazendo um espetáculo fantástico na arena” afirmou Edwan.

Destaque

Como Lenda Amazônica, o Caprichoso apresentou O “Veleiro Cabano do Uaicurapá”, onde os artistas exaltam a resistência das mulheres amazônidas pelas lutas contemporâneas do povo cabano.

A Figura Típica Regional, reverenciou os Quilombolas da Amazônia. O público também se emocionou com o Ritual Indígena com a Iniciação Masculina Munduruku Marupiara, que marca a entrada dos futuros guerreiros.

Caprichoso

O Boi-Bumbá Caprichoso foi fundado em 1913, pelas mãos de famílias nordestinas, Cid e Gonzaga. A brincadeira que nasceu nos quintais das casas com versos de saudação e enaltecimento, nas vozes dos fundadores, logo se transformou em desafios fortes para o contrário.

O bumbá ganhou as ruas da cidade, incorporou as tradições locais. As pessoas passavam, mas o Caprichoso não, sendo recebido por um novo dono, uma nova família que, tradicionalmente, se tornava a guardiã do boi, responsável por organizar as saídas do boi nas ruas de Parintins.

A agremiação folclórica é responsável pelo projeto social Fundação Boi-Bumbá Caprichoso, denominado Escola de Artes Irmão Miguel de Pascalle, para crianças e adolescentes que exercitam e desenvolvem o potencial intelectual e artístico nas oficinas de artes, dando um retorno à comunidade e ao festival. Fundada em 1998, a escola já revelou mais de 5.500 artistas que podem ser vistos nos galpões, no conselho de arte, na dança, na música e em todos os segmentos.

FOTOS: Alex Pazuello/Secom

Você pode gostar
plugins premium WordPress